Clube To Beer

Month: abril 2017

- por em Cerveja, Crônicas, Pablo Santiago 0

Ah…Munique!

por Pablo Santiago

Caracterizada pela intensidade e complexidade do malte Munique e suas melanoidinas. Sabores ricos do malte Munique, mas não tão intensos como em uma Bock ou tão tostado como em uma Schwarzbier.
Proveniente da mistura entre caramelos, chocolates, nozes, lúpulos e maltes, surge um sabor adocicado que permanece maltado e termina no amargor de um final um tanto seco. A riqueza e complexidade desta cerveja não fica apenas no sabor e transcende para outras características que fazem dela, uma das mais queridas pelos apreciadores das boas bebidas.
Como prova disso, o aroma dela está em perfeita sintonia com o seu saboroso sabor. Desculpa a redundância, mas é que a bichinha é boa que só ela. O requinte do doce, contrasta com as notas de lúpulo presentes em seu aroma. O mesmo ocorre com a sua aparência, quase sempre marrom escuro e que algumas vezes, pode se apresentar em tons avermelhados. Precisa dizer que o seu colarinho também varia?
Sabendo que se trata de uma bebida com um teor alcoólico razoável e que pelo fato de não ser uma bebida pesada, não causa aquela sensação de barriga estufada, possibilitando que os cervejeiros se deleitem, peço encarecidamente, que após eu relevar o nome da cerveja que possui essas peculiaridades, que todos continuem lendo a postagem até o final. A Dunkel…
A intensidade e complexidade do malte de Munique reflete na cerveja, fazendo dessa, a sua maior particularidade. Essa preciosidade alemã não ficou apenas em seu país de origem, embora apenas nas versões que não são exportadas pode-se perceber o gosto de pão e uma sensação terrosa, que derivam do fato delas não terem sido filtradas. Ainda tem alguém aí?

#Cheers

- por em Cerveja, Crônicas, Pablo Santiago 0

1º parágrafo de qual cerveja?

por Pablo Santiago

Antes que fique confuso, tenho que dizer que os três parágrafos seguintes são resultado da minha indecisão sobre qual cerveja queria compartilhar com vocês. Antes de me julgarem, leiam cada um deles e sintam essa sensação que o estilo cervejeiro de hoje pode nos causar.
1º da primeira cerveja – As notas de chocolate e café, somadas a uma receita feita com os lúpulos certos e maltes especiais dão a cerveja de hoje, o seu merecido destaque. Rica em sabores e aromas, o equilíbrio do seu amargor surpreende o paladar ao deleitar cada gole deste exemplar que encaixa formidavelmente com pratos como feijoada e chocolates como sobremesa.
1º da segunda cerveja – Encorpada, de aparência deslumbrante e sabor inconfundível. Essas talvez sejam as características mais marcantes da cerveja de hoje. Detentora de um paladar aveludado, esta bebida se trata de uma boa companhia quando se trata de alguns sortes e frutas. Isso porque as notas de chocolate e cereja presentes nela resultam num sabor floral que terminam num toque amargo no final.
1º parágrafo da terceira cerveja – O seu aroma, que poderia muito bem ser confundido com um chocolate meio amargo ou um bom café fresquinho, é rico. O amargo do seu sabor deriva da forma em que os seus maltes são torrados, assim como a sua densidade e cremosidade. Petit gataeu e creme brulée são agradáveis escolhas para acompanhar essa deliciosa cerveja.
Sim, estou falando da Stout! Cervejas negras, ricas em aromas e sabores, que conquistaram o gosto dos apreciadores das melhores biers de mundo. O sucesso dela é tanto, que hoje existe uma enorme variedade desse encantador estilo, fazendo até com que eu me perca na hora de escolher sobre qual delas escrever.

#Prost